×

Recent Posts

C. da Silva

/ / Douro, Varios

Colheita

Em prova:Aroma e sabor intensos, com sugestões de geleia de frutos, marmelada, especiarias, nos vinhos mais jovens. Com a idade, os Colheita evoluem para sabores a frutos secos, canela, café, sempre bastante frescos e elegantes.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo de mais de uma dezena de anos sem perder frescura.

À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Harmoniza bem com todo o tipo de sobremesas, sobretudo as elaboradas à base de ovos ou de frutos secos (amêndoas, avelãs, nozes…).

 

Dalva 20

Em prova: Grande riqueza aromática, com sugestões de laranja cristalizada, especiarias, figos secos. Muito fresco na boca, mantendo ainda a fruta, elegante, perfumado, com final longo pontuado por notas de café e canela.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo de mais de uma dezena de anos sem perder frescura.

À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Harmoniza bem com todo o tipo de sobremesas, sobretudo as elaboradas à base de ovos ou de frutos secos (amêndoas, avelãs, nozes…).

 

Dalva 30


Em prova: Cor atijolada, muito intenso e complexo de aroma, casca de laranja, tofa, caramelo, frutos secos. Muito gordo e cremoso na boca, lembrando compotas de citrinos, tabaco, especiarias. Muito longo e distinto no final.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo de mais de uma dezena de anos sem perder frescura.

À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Harmoniza bem com todo o tipo de sobremesas, sobretudo as elaboradas à base de ovos ou de frutos secos (amêndoas, avelãs, nozes…).

 

Dalva 40

Em prova: Tem cor ambarina e aroma rico e profundo, muito complexo, lembrando tabaco, fruta cristalizada, bolo inglês, avelãs, tofa. Untuoso, envolvente, com uma bela frescura ácida a dar persistência e elegância ao final.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo de mais de uma dezena de anos sem perder frescura.

À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Harmoniza bem com todo o tipo de sobremesas, sobretudo as elaboradas à base de ovos ou de frutos secos (amêndoas, avelãs, nozes…).

 

Dalva 10

Em prova: Ainda algumas nuances vermelhas na cor aloirada, aroma profundo a compotas e frutos secos. Muito equilibrado na boca, delicado, com fruta e especiarias, notas apimentadas no final fresco e persistente.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo de mais de uma dezena de anos sem perder frescura.

À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Harmoniza bem com todo o tipo de sobremesas, sobretudo as elaboradas à base de ovos ou de frutos secos (amêndoas, avelãs, nozes…).

 

Dalva Douro Reserva Branco 2010

O DALVA DOURO RESERVA BRANCO 2010 é um vinho produzido a partir de uvas, do Concelho de Murça e de Santa Marta, cuidadosamente selecionadas, predominantemente das castas Viosinho, Malvasia Fina e Codega, vinificadas em conjunto.

Este vinho esteve em estágio durante 8 meses em barricas de carvalho húngaro, tendo sido engarrafado em Outubro de 2011. É um vinho seco com um aroma doce e floral, macio e aveludado na boca e com um final igualmente doce mas muito fresco.

Pode servir-se como aperitivo, para encontros de fim de tarde, ou a acompanhar um peixe gordo ou uma carne branca. Tem grande potencial de envelhecimento. Deve ser consumido entre 10 a 12ºC.

 

Dalva Dry White 10

Em prova: Aroma elegante lembrando tangerina madura, a par de delicadas notas amendoadas. Os frutos secos mostram-se na boca rica, untuosa e muito fresca, graças a bela acidez.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo vários anos sem perder frescura.

À mesa: Servir fresco, entre os 6 e os 7ºC, em copo apropriado. Pode ser bebido a solo ou acompanhando entradas e acepipes variados, por exemplo, salmão fumado, presunto ibérico ou foie gras.

 

Dalva Dry White 20

Em prova: Tem cor âmbar brilhante e aromas profundos, complexos, misturando sugestões de resinas exóticas, compota de citrinos, mel, amêndoas. Boca volumosa e meio-seca, austera mas elegante, com longo final a laranja e especiaria.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo vários anos sem perder frescura.

À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Pode ser bebido a solo ou acompanhando entradas e acepipes variados, por exemplo, salmão fumado, presunto ibérico ou foie gras.

 

Dalva Dry White Reserve

Em prova: Tem cor palha intensa e aroma vivo com notas de citrinos maduros e apontamentos florais. Encorpado na boca, lembrando alperces secos, num estilo vigoroso, complexo, com distinto final meio-seco.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo vários anos sem perder frescura.

À mesa: Servir fresco, entre os 6 e os 7ºC, em copo apropriado. Pode ser bebido a solo ou acompanhando entradas e acepipes variados, por exemplo, salmão fumado, presunto ibérico ou foie gras.

 

Dalva Dry White

Em prova: Tem cor citrina brilhante e aroma a limões maduros, folhas secas, um toque floral. Bem apimentado na boca, austero mas não demasiado seco, final fresco com suaves amargos vegetais.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa.

À mesa: Servir fresco, entre os 6 e os 7ºC, em copo apropriado. Pode acompanhar entradas e acepipes variados ou ser servido como aperitivo, em long drink – Porto Tonic: com água tónica, gelo e uma rodela de limão.

 

Dalva Golden White Porto

Em prova: Este branco com mais de quatro décadas impressiona no aroma inebriante a casca de laranja, marmelada, resinas, mel, tostados delicados. Muito sedoso na boca, com grande frescura, num estilo perfumado, elegante, cheio de classe.

Na Garrafeira: Manter a garrafa deitada, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo vários anos sem perder frescura.

À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Pode ser bebido a solo mas acompanha muito bem foie gras ou sobremesas de citrinos.

 

Dalva Grande Reserva

Vinificação Vinificado a partir de uvas selecionadas em vinhas velhas de viticultores tradicionais da C. da Silva, predominantemente das castas Touriga Franca, Tinta Roriz, Barroca e Touriga Nacional, fizemos uma vinificação muito cuidada.
Estágio O DALVA DOURO GRANDE RESERVA TINTO 2009 estagiou em pipas de 600 litros de carvalho francês durante vinte e quatro meses. Este GRANDE RESERVA TINTO 2009 em repouso nas nossas Caves, envelhece neste momento em garrafa antes do seu grande lançamento.
Nota de Prova Em prova apresenta-se muito equilibrado, tosta de madeira e notas de baunilha desaguando num final de fruta, intenso, fresco e prolongado. Consumo
O consumo  estágio em garrafa vai fazer-se no mínimo durante um ano, para se conseguir aumentar a complexidade dos aromas e tornar a prova ainda mais elegante. Deve ser consumido a uma temperatura entre os 16º e 18º C.

Dalva LBV

Em prova: Exuberante de fruto, framboesa, amora, bagas silvestres. Encorpado, com sugestões de especiarias amparando a fruta, um toque vegetal a dar garra e persistência ao final.
Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Evolui lentamente na garrafa, podendo guardar- -se em casa ao longo de vários anos.
À mesa: Servir entre os 16 e os 18ºC, em copo apropriado. Perfeito bebido a solo ou acompanhando queijos curados de sabor intenso, sobremesas de frutos silvestres ou chocolate preto.

Dalva Reserva Douro Tinto 2009
Vinificação: Uvas provenientes de vinhas velhas da Região do Douro, predominantemente Touriga Franca, Tinta Roriz, Barroca e Touriga Nacional, totalmente desengaçadas, maceradas e fermentadas sobre controlo de temperatura de forma a evidenciar os aromas das uvas e a tornar a prova fresca e prolongada.
Estagio: Efectuado com uma mistura de carvalho americano e francês, que lhe aumentou a complexidade, conferindo-lhe aromas de baunilha e café a sobressaírem num fundo rico em especiarias.
Foi engarrafado em Dezembro de 2011.
Nota de Prova: Cor vermelha intensa, um conjunto harmonioso de frutas vermelhas e de notas de café, especiarias e boisé, que combinam num bouquet agradável e persistente.
Consumo: O Vinho está pronto para acompanhar uma boa posta de carne vermelha grelhada. Pode ser guardado em cave fresca por alguns anos. Deve ser consumido a uma temperatura entre 16º e 18º C.

 

Dalva Rosé

Em prova: Exuberante de aroma, a framboesa e morango, com um toque floral. Muito equilibrado na sua doçura frutada, lembrando cereja, mel, toranja; suave e atractivo.
Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa.
À mesa: Servir fresco, entre os 6 e os 7ºC, em copo apropriado. Óptimo para consumir a solo, com uma rodela de laranja e uma folha de menta. Excelente para base de cocktails variados.

 

Dalva Ruby Reserve

Em prova: Mostra cor vermelha intensa e aroma vibrante de frutos do bosque (amoras, groselhas). Sabor jovem e vivo, com a fruta sempre em primeiro plano, suave e equilibrado, sumarento, muito apetecível.
Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Evolui lentamente na garrafa, podendo guardar- -se em casa ao longo de vários anos.
À mesa: Servir entre os 16 e os 18ºC, em copo apropriado. Perfeito bebido a solo ou acompanhando queijos curados de sabor intenso, sobremesas de frutos silvestres ou chocolate preto.

Dalva Ruby
Em prova: Tem bonita cor rubi e aroma delicado a compotas de frutos vermelhos, framboesas, morangos silvestres. Harmonioso e equilibrado na boca, com final suave e atractivo dominado pela doçura frutada.
Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo de 3 ou 4 anos sem perder frescura.
À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Óptimo para consumir a solo, sem acompanhamento, mas vai bem com sobremesas doces, como bolo de chocolate ou tarte de frutos

Dalva Tawny
Em prova: Bonita cor com leves nuances avermelhadas. No aroma revela suaves balsâmicos, misturando frutos jovens e secos. Muito equilibrado na boca, com final atractivo a bombom de ginja.
Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa. Pode guardar-se em cave ao longo de três ou quatro anos sem perder frescura.
À mesa: Servir ligeiramente refrescado, entre os 12 e os 13ºC, em copo apropriado. Óptimo para consumir a solo, sem acompanhamento, mas vai bem com sobremesas doces, de leite, caramelo ou baunilha.

 

Dalva Vintage

Em prova: Cheio de cor, imponente de aroma, lembrando compota de amoras, passas de uva, alguma esteva. Vigoroso e potente, mas com taninos polidos e muito bem integrados, bastante frescura no final longo e apimentado.
Na Garrafeira: Manter a garrafa deitada, em local fresco e escuro. Evolui lentamente, podendo crescer e afinar na garrafa ao longo de várias décadas.
À mesa: Decantar e servir entre os 16 e os 18ºC, em copo apropriado. Perfeito bebido a solo ou acompanhando queijos azuis ou queijos curados de sabor intenso.

 

Dalva White

Em prova: Tem cor amarelo escuro e aroma a frutos em calda, maçã cozida, flores secas. Muito untuoso e encorpado na boca, com a doçura do fruto acompanhando uma prova suave e envolvente.

Na Garrafeira: Manter a garrafa em pé, em local fresco e escuro. Não evolui significativamente na garrafa.
À mesa: Servir fresco, entre os 6 e os 7ºC, em copo apropriado. Pode acompanhar sobremesas de caramelo ou baunilha ou ser servido a solo, simples, em long drink, ou como base de cocktails.

TOP